Textos

RONDA NOTURNA

Noite escura, cerrada,
Lá fora o frio congelante
A cidade dorme tranquila
E aquele homem cruza a praça.

De calçada em calçada
Cruzando a rua aqui e ali,
Ageita o paletó e sunga a calça,
Na mão um pequeno rádio.

Mas, de súbito, um susto!
Passa um gato a sua frente.
Para um supersticioso
Isto seria sinônimo de azar.

Segura forte o apito,
Fica alerta no seu ofício,
Pois o povo daquela cidade
Confia neste vigia corajoso.

(http://afonsoecris.ubbihp.com.br)
(http://massajovem.zip.net)
Painho
Enviado por Painho em 16/12/2006
Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.